Coloque o seu dinheiro para trabalhar por você

Já imaginou que maravilha ter uma fonte de renda para complementar seu orçamento mensal sem que isso dependa do seu trabalho?

Pois é isso que o dinheiro investido faz por você: ele trabalha, aumenta o capital investido e permite que você colha frutos e se beneficie do pagamento de juros.

Todos nós sonhamos com a possibilidade de um dia parar de trabalhar para o merecido descanso depois de anos ininterruptos de trabalho. Muitos acreditam que o valor da Previdência Social mais o dinheiro do Fundo de Garantia serão suficientes para custear essa fase.

Entretanto, as estatísticas do Ministério da Previdência e Assistência Social são cruéis e apontam que 46% dos brasileiros que se aposentam dependem de parentes, 25% são obrigados a continuar trabalhando, 27% dependem de caridade e apenas 2% dos brasileiros conseguem se manter sem fonte externa de ajuda.

Essa minoria foi previdente e colocou o dinheiro para trabalhar, provavelmente desde cedo, com a disciplina e determinação de quem sabia que um dia seria recompensado pelo esforço.

Planejando o futuro

Esse foi o planejamento de Paulo, que, aos 30 anos, decidiu que acumularia capital suficiente e necessário para gerar uma renda futura de R$ 2.000 a partir dos seus 60 anos. Ele estimou que viverá até os 90 anos. Portanto, o capital tende a se esgotar depois de pagar essa renda durante 30 anos.

Vamos colocar as premissas de Paulo em uma calculadora financeira e descobrir que capital ele deve ter daqui a 30 anos para gerar a renda desejada de R$ 2.000.

Na primeira avaliação, Paulo precisará de um capital de R$ 474.378.

Num segundo cálculo vamos verificar quanto Paulo deve poupar todos os meses para acumular esse capital em 30 anos.

Nesta segunda situação, ele deverá investir R$ 814 todos os meses, durante sua fase ativa (dos 30 aos 60 anos), para acumular o capital de R$ 474.378, suficiente para gerar renda mensal de R$ 2.000 durante 30 anos.

Você reparou que a estratégia de Paulo permitirá a ele trocar uma renda de R$ 814 durante a fase ativa de sua vida por uma renda de R$ 2.000 durante o mesmo período de 30 anos na fase inativa, dos 60 aos 90 anos?

De onde vem a diferença mensal de R$ 1.200 que engordará o bolso de Paulo no futuro, todos os meses? Dos rendimentos do capital investido! Nada mal, não é mesmo?

Parte dos ganhos será gerada durante os primeiros 30 anos, fase de acumulação.

Nesse período ele desembolsará R$ 293.040 (R$ 814 vezes 360 meses) e receberá juros de R$ 181.338. Como Paulo fará saques mensais de R$ 2.000 a partir dos 60 anos, o saldo excedente continuará trabalhando e ganhando dinheiro até se esgotar, quando Paulo estiver comemorando seus 90 anos.

Os cálculos foram feitos com uma taxa de juros relativamente baixa para os padrões atuais, mas essa é uma maneira de simplificar o impacto da inflação, dos custos e dos impostos.

Identifique as suas premissas e faça as contas com base na sua realidade.

Tenho certeza de que você gostou da ideia de colocar o seu dinheiro trabalhando para você. Seu esforço será muito bem recompensado, além de garantir que sua renda futura, adicionada a Previdência Social e outras rendas que você por ventura tenha no futuro, seja suficiente para o grito de liberdade: chega de trabalhar!

Fonte: Folhapress

Compartilhe

Mais conteúdos